Como Conviver com um Perverso?!

Shares

1 perverso - 1 - Como Conviver com um Perverso?!

Como Conviver com um Perverso – Em algum determinado momento as teorias psicanalíticas nos falam sobre os mecanismos estruturantes da personalidade, das “falhas” no processo de constituição da psique e elaboração da castração, das angústias de aniquilamento, da clivagem do EGO, e tantas outras coisas instigantes no esclarecimento geral a respeito dessas perspectivas às estruturas psíquicas de NEUROSES, PERVERSÕES e PSICOSES. Entretanto neste momento, gostaria de trazer apenas algumas ideias em como podemos imaginar o trato em diversas situações na vida ao lidar com pessoas de estrutura perversa.





Em primeiro lugar, se você tem alguma suspeita sobre esse diagnóstico a respeito de seu parceiro(a), colega, chefe ou superior, entenda que a decisão de continuar nessa relação ou neste local, não acarretará em tarefas simples, pelo contrário. Essa tarefa vai lhe exigir uma boa reserva psíquica, muita auto-estima, autoconfiança e autocontrole, caso contrário o desligamento será a melhor alternativa. Se ainda assim você desejar ir adiante, sabendo que o perverso é “lobo em pele de cordeiro”, e por ser assim, muita vezes engana a si próprio, meus parabéns e boa sorte na tentativa.





Há quem diga que essa é uma batalha perdida, sobretudo para um Neurótico, pois este sente mágoa, culpa, dúvidas e angústias das quais o PERVERSO é incapaz de sentir e por conta disso estará sempre em certa vantagem por estar desprovido de sentimentos correlatos. Por outro lado, alguns ousariam afirmar que o perverso pode ser controlado, que ao saber o que o perverso quer da gente, podemos definir limites. Limites que precisam ser muito rígidos para funcionar, pois bastaria um deslize para tudo desmoronar.

Procurando resumir e organizar algumas reflexões que talvez possam ajudar a “suavizar” uma convivência com perversos, chegamos num conjunto de afirmações e ponderações que poderiam indicar formas de dar a respeito do que seria um contraponto ao comportamento perverso no sentido de apresentação dos limites então necessários:

1- Não disponibilize informações, nem mesmo que ele as peça ou exija. Nunca revele a um perverso aquilo de que você gosta e de que não gosta. Isso só servirá para que ele saiba onde atirar sua munição em tiros certeiros. Guarde seus gostos e seus pensamentos para si mesma. Se por acaso já disse, e na maioria das vezes as pessoas falam antes de descobrir que estão tendo um relacionamento com um perverso, negue tudo. Se você disse que adora rosas, diga que as odeia. Se você disse que não suporta televisão alta, diga que adora ouvir televisão no mais alto som. Ele se mostrará desconfiado, mas você pode comprovar o que diz, colocando a televisão bem alta por alguns dias. Logo ele se convencerá, porque só o fato de ter que administrar duas personalidades já o cansa bastante e gasta muita memória. Imagine o trabalho que dá saber qual é a personalidade que ele tem que mostrar para cada pessoa que conhece? E dentre tantas mentiras que fala, saber para que pessoas falou o que? Sobra muito pouca memória para guardar as informações que você lhe dá. Portanto, não disponibilize informações de graça. Os americanos, muito espertos comercialmente, costumam dizer: ”Do not volunteer information”: Não dê informações de graça. Tudo o que você disser pode ser usado contra você. Como? Exemplo: “eu adoro a minha sobrinha.” Assim que ele quiser magoá-la, vai dizer: “essa sua sobrinha não vale nada”.

2- Não questione as mentiras, não tente fazer com que um perverso lhe diga a verdade. Isso é totalmente impossível. Além de ele ter várias verdades, todas com comprovação, ele se deleita com sua necessidade de saber a verdade. Ele se compraz vendo sua angústia. E vai alimentá-la, deixando você cada vez mais desesperada. Se você quiser saber a verdade, busque outra fonte, nunca num perverso de plantão. Finja aceitar a mentira que lhe é passada, por mais inverossímil que pareça. Mais tarde, com calma, você poderá ir atrás da verdade.





3-Não Justifique demais, se você quer fazer alguma coisa fora do usual, não precisa ficar se justificando. Justificar-se em demasia pode mostrar insegurança. “Fui ao cinema porque estava cansada e precisava arejar a cabeça”, é explicar demais. Basta dizer ” fui ao cinema”, e pronto. Se ele perguntar por que você foi ao cinema, responda com outra pergunta: “e tem que ter algum motivo para ir ao cinema?”.

4-Não mostre suas necessidades, da mesma forma que ele lhe nega a verdade, vai lhe negar qualquer coisa que você precisar. Mas fará isso de forma que não se perceba sua má intenção. Por exemplo, se você disser: “preciso ir ao cabeleireiro”, ele imediatamente arranjará um motivo inadiável para você não ir ao cabeleireiro. A sorte é que os perversos têm que trabalhar e, em geral, trabalham muito para ter dinheiro com que vão dominar as outras pessoas. E enquanto ele trabalha, você poderá fazer tudo aquilo de que gosta e precisa: ir ao cabeleireiro, ao cinema etc.

5-Não lhe peça nada, se você trabalha e tem seu próprio dinheiro, viva dentro do seu orçamento, não conte com o perverso. Mesmo que ele tenha rendimentos muito superiores ao seu, ele vai gastar esses rendimentos da forma que bem entender. Poderá, eventualmente, fazer alguma coisa que seja útil para você, e que ele ploclamará aos quatro ventos, mas a idéia tem que partir dele. Se você apenas sugerir, ficará sem aquilo para sempre.

6-Não acredite em promessas, principalmente feitas no momento em que esta tentando se reconciliar. Ele promete literalmente tudo. Depois, quando a situação se acalma, é que ele vai pensar no que pretende cumprir (em geral nada).

7-Não tenha pena, o perverso tem uma incrível habilidade para se fazer passar por vitima. É capaz de chorar para jogar a culpa de suas lágrimas sobre você. Diz que so tem você na vida. Mas tudo que ele quer é asfixia-la, não lhe permitir agir por si mesma, não deixar que você pense. A piedade pode fazer você perder a batalha.

Logo você estará tão presa que não conseguirá ir ao banheiro sem que ele vá junto. Quando um perverso apelar para seus sentimentos maternais, diga-lhe que ele precisa fazer terapia com um bom profissional especializado para levantar a autoestima.

About the Author Aless Oliveira

Alessander Pires Oliveira - Formação e vocação em Ciências da Computação, também apaixonado por psicanálise, tocar guitarra e design. Providenciando o Bacharelado em Psicologia ;-) "Não compartilho meus pensamentos por que penso que vou mudar a cabeça das pessoas que pensam diferente. Eu os compartilho para mostrar as pessoas que pensam igual a mim, que não estão sozinhas."

follow me on:

Leave a Comment:

5 comments
Add Your Reply