Coringa: Um retrato psicológico penetrante do notório inimigo de Batman

Shares

coringa - coringa - Coringa: Um retrato psicológico penetrante do notório inimigo de Batman

Há momentos em que um determinado personagem o influencia tanto que você se afunda totalmente nele. De todos os vilões da história, o Coringa é, sem dúvida, um dos personagens mais duradouros e icônicos.





Mas por que, apesar de ser um assassino psicopata e niilista, o personagem é tão popular – tão amado, até? Por que vemos aquela assustadora cicatriz vermelha de sorriso em tantas camisetas, pôsteres e memes?

Se você é bom em alguma coisa, nunca faça isso de graça. – O Coringa, o Cavaleiro das Trevas

O Coringa é um personagem complicado. Seus crimes não são alimentados pelo desejo de dinheiro, ambição ou outros motivos comuns. O terror que ele espalha é ideológico e suas motivações são filosóficas.





Vamos começar explorando sua história de origem. O clássico, revelado no brilhante quadrinho “The Killing Joke”, é que ele era um quadrinista fracassado tentando sobreviver para sustentar sua vida com sua esposa grávida. Ele se junta a um bando de bandidos operando como a gangue do Capuz Vermelho para ganhar dinheiro fácil. Antes do dia do assalto, sua esposa e filho ainda não nascido morrem em um acidente. Ele é forçado a cometer o crime e no meio dele é encontrado pelo Batman. Assustado, ele cai em um tanque de produtos químicos na fábrica onde o crime está ocorrendo e lava-se do lado de fora da fábrica, tornando-se insano.

É um conjunto de incidentes bastante traumáticos que o levam aonde ele acaba. Os eventos seguem o princípio “um dia ruim”, pois basta um dia ruim para virar sua vida de cabeça para baixo. Combinado com sua exposição a produtos químicos, é a percepção de que a vida é inerentemente injusta e meio cômica que o leva ao limite.

Só é preciso um dia ruim – The Joker, Batman: The Killing Joke

Agora vamos tentar cavar um pouco mais fundo na mente do Coringa.

Carl Jung foi um psicólogo e psicoterapeuta do início do século XX, altamente influenciado por Sigmund Freud. Embora a controvérsia esteja envolvida em suas teorias hoje em dia, uma ideia dele permaneceu em torno do que a maioria das pessoas considera verdade: todos nós nos tornamos ruins de vez em quando.

Jung explicou esse fenômeno com um conceito chamado “Sombra”. A Sombra é a parte da psique de uma pessoa que ela se recusa a reconhecer. É a parte de você que deseja bater no seu chefe e depois roubar a carteira dele. É a parte de você que deseja roubar um banco com uma máscara de palhaço ou arremessar um coquetel molotov em uma rua pública.





É a sua parte que deseja abandonar as regras.

Segundo Jung, uma pessoa deve reconhecer esses impulsos negativos para manter a saúde mental. Devemos reconhecer a escuridão dentro de nós, mas não nos identificar com ela. Quando você não reconhece a Sombra, o que acontece é que ela se liberta, ganha vida e volta para aterrorizar você e destruir sua “superioridade ilusória”.

Os psicólogos nos falam do que é chamado de “superioridade ilusória”, o viés cognitivo em todos nós que faz com que uma pessoa pense muito alto em suas qualidades positivas e muito pouco em suas negativas. Gostamos de nos considerar nobres, honestos e bons, especialmente em comparação com outras pessoas. Gostamos de acreditar que nunca machucamos alguém ou causamos qualquer tipo de dano.

Não estou dizendo que isso seja ruim ou errado. Também não estou chamando as pessoas de idiotas. É muito compreensível. É apenas algo que nossas mentes precisam fazer para passar o dia.

Durante a Guerra Civil Inglesa de 1600, um cara chamado Thomas Hobbes estava um pouco à frente em termos dessa coisa de “superioridade ilusória”, mesmo que ele nunca a reconhecesse exatamente como tal. Ele não concordava com a idéia da maioria das pessoas de que elas são inerentemente morais e justas. Em vez disso, ele teorizou que, sem regras impostas, a humanidade retornaria a um pesadelo brutal e imoral de uma sociedade – uma caótica, infernal e ardente. 

Seu trabalho mais famoso foi um tomo terrivelmente denso chamado Leviatã . Contém talvez sua citação mais famosa de todas, o que equivale a sua justificativa para a existência de governo:

“… nenhuma sociedade; e o pior de tudo, o medo contínuo e o risco de morte violenta; E a vida do homem, solitária, pobre, desagradável, brutal e curta.

Hobbes está dizendo que sem o controle estruturado do governo (o que o Coringa chama de “golpistas”), as pessoas se tornam animais. Assassinos. Ladrões. No século XVII, isso foi especialmente influente e foi a principal razão pela qual Hobbes e caras como ele perceberam: governo, lei e ordem eram absolutamente necessários.

Hobbes apoiou o governo por medo do caos imoral. O Coringa, por outro lado, porque ele é um psicopata anarquista (ou anarquista psicopata), adoraria nada mais do que ver isso acontecer.

Introduzir um pouco de anarquia, perturbar a ordem estabelecida e tudo se tornar caos. Eu sou um agente do caos. – O Coringa, o Cavaleiro das Trevas

É por isso que ele coloca bombas em balsas. É por isso que ele mata funcionários do governo. É por isso que ele tenta corromper a única pessoa que é um símbolo de que não precisamos ter medo de pessoas como ele. O Coringa quer empurrar uma cidade inteira para a gravidade perversa da loucura e da anarquia.

Mal posso esperar para mostrar meus brinquedos. – O Coringa, Esquadrão Suicida

O Coringa é simplesmente uma saída para a Sombra, e tão convincente que milhões foram cativados por ele e viveram vicariamente as depravações da Sombra de sua psique. É precisamente porque o Coringa bombardeia, mata e corrompe que muitos espectadores ficam chocados ao vê-lo. Ele age da maneira que, às vezes, desejamos que pudéssemos, no fundo, e temos uma pressa indireta em vê-lo entrar em tal comportamento, sem que ninguém se machuque de verdade.

“Eu realmente pareço um cara com um plano? Você sabe o que eu sou? Eu sou um cachorro perseguindo carros. Eu não saberia o que fazer com um se o pegasse. Você sabe, eu apenas … faço as coisas. – O Coringa, o Cavaleiro das Trevas

Embora tenha sido derrotado por Batman, parece que o Coringa realmente prova seu ponto de vista. Harvey Dent era o Cavaleiro Branco de Gotham City, o epítome ambulante da justiça, ordem e nobreza. Mas o Coringa o transforma em Dois Caras, que depois assassina cinco pessoas, duas delas policiais, usando um método caótico e absurdamente sem sentido de jogar uma moeda para determinar seu destino. Isso por si só simboliza a filosofia e a missão do Coringa de perturbar o senso de “superioridade ilusória” da sociedade civilizada e humilhá-la, trazendo-a de volta às suas raízes selvagens.

Ame-o ou odeie-o. Mas você não pode negar o fato de que ele é provavelmente o vilão mais adorável do mundo dos quadrinhos.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment: