Em culto, Malafaia se compara a médico: “Aqui é o lugar de maior proteção”

Cerca de 350 fiéis ignoraram orientações de isolamento para evitar a disseminação do novo coronavírus e participaram de um culto promovido ontem à noite pelo pastor Silas Malafaia, na Assembleia de Deus Vitória em Cristo de Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Durante cerca de 50 minutos de culto, pediu que os fiéis não se deixassem levar pelo medo e seguissem frequentando a igreja. Malafaia procurou relativizar o quadro da pandemia —”Não vou entrar nessa paranoia”—, comparou o trabalho do pastor com o do médico e se referiu ao templo como o local de maior proteção.

Na igreja, muitos idosos e crianças. As primeiras fileiras da igreja estavam ocupadas, com fiéis sentados lado a lado. O templo contudo não estava lotado. Nos últimos dias, o líder religioso tem publicado vídeos em seu perfil no Twitter dizendo que não irá fechar as igrejas por causa da pandemia. Ontem, disse que só fechará os templos com ordem judicial.

Às 19h30, horário previsto para o começo do culto, o estacionamento estava lotado. Muitos fiéis também chegavam ao local levados por motoristas de aplicativo, que conduziam seus passageiros com as janelas abertas, medida que vem sendo adotada contra a contaminação.

Na porta de entrada, um homem higienizava as mãos dos fiéis com álcool em gel. Aos risos, um rapaz cumprimentava outros religiosos com o cotovelo, seguindo a orientação de evitar apertos de mãos.

Sentada em uma das fileiras, uma idosa comentou com uma amiga: “Pelo amor de Deus! Álcool em gel na mão, né?”. Em seguida, outra mulher se ajoelha, apoia os cotovelos na cadeira, reza por menos de um minuto e volta a se sentar, à espera do começo da pregação.

Com sua imagem reproduzida em dois telões, Silas Malafaia dedicou a pregação às orientações sobre o novo coronavírus. “Nós não obrigamos ninguém a vir ao culto. O conselho que dou é que as pessoas de idade, mesmo que não tenham tosse ou febre, fiquem em casa”. Mas também incentivou os fiéis a irem à igreja. “Aqui, é o lugar de maior proteção que pode existir.”

Ele também anunciou a suspensão por tempo indeterminado de encontros promovidos pela igreja e cancelou cultos marcados em outras regiões do país ainda neste mês, como Joinville (SC), Curitiba (PR), Santo André (SP), e a inauguração de um templo em Jaraguá do Sul (SC). Mas manteve os cultos no Rio de Janeiro.

“O medo é pior do que o coronavírus”, prega Malafaia Logo no começo da pregação, Malafaia disse: “Querendo ofertar crédito ou débito, que Deus te abençoe e te multiplique”. Auxiliares distribuíram ao público um papel, onde estava escrito: “Semente para uma colheita abençoada”. Na parte interna, havia um espaço para que os fiéis colocassem nome, pedido de oração e um valor para doação.

Ele disse ter visto ônibus lotados durante o trajeto entre a sua casa, no Recreio dos Bandeirantes (zona oeste), e a igreja. E comparou a fé do trabalhador com a do fiel, convocando o público.

“O pobre tem que ter fé para andar de trem, de metrô e de ônibus. Mas o crente não tem fé para frequentar a casa de Deus”, disse, diante de aplausos. “O medo é pior do que o coronavírus. Se você tiver otimismo e fé, que são agentes do ânimo, você vai estar mais preparado para espantar isso. Gente que tem fé e crê em Deus ficou em casa, com medo. Vocês vieram aqui”, completou.

A fim de relativizar o quadro de mortes provocadas pela covid-19, ele citou o número de pessoas que morreram engasgadas com comida no país. Depois, falou de mortos por assassinatos e por gripe na Europa.

O pastor também atribuiu o alto índice de mortes em decorrência do novo coronavírus na Itália à idade avançada da população. “Se tudo fechar no mundo, vai ter uma porta aberta aqui. A igreja é o último lugar de esperança e de fé”. Malafaia ainda comparou o trabalho do pastor com o do médico no combate à pandemia.

O médico não escolhe se vai atender ou não. A mesma coisa é o pastor. A igreja também é o hospital para os desesperados

No seu discurso, voltou a questionar a abordagem dada à pandemia. “Não estou menosprezando a doença. Mas não vou entrar nessa paranoia”. Ele então orientou uma oração com o público: “Praga alguma chegará na tua casa se você crê. Deus, guarda o seu povo no meio de tempestades e pragas. Livra o nosso país da catástrofe”, pregou, seguido de aplausos.

Fiéis pretendem continuar indo a cultos

Após o culto, fiéis saíram da igreja dizendo que estão tomando medidas de precaução. Mas que pretendem seguir indo aos cultos. “Estou aqui com a minha patroa”, disse a babá Cláudia Pena, 51, apontando para a mulher ao seu lado, que não quis falar com a reportagem.

A cabeleireira Vanessa Garcia, 36, que também frequenta outra igreja, disse ter ido ao culto só para assistir à pregação de Silas Malafaia acompanhada pelo marido, o escrevente de cartório Alessandro Garcia, 39. “Você estava aí no início do culto? Eles colocaram álcool gel na mão das pessoas, você viu? Claro que existe [risco de contaminação pelo novo coronavírus]. Mas o risco maior é para os idosos”, disse Alessandro. Por isso, ele disse estar evitando contato com o pai, que tem 65 anos. “O pastor falou para que a gente não fique abraçando as pessoas.”

Fonte: UOL

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment: