Despersonalização: O Transtorno que poucos conhecem mas que afeta milhões

Shares

despersonalização - img 57462555e212f - Despersonalização: O Transtorno que poucos conhecem mas que afeta milhões

Jane Charlton se acordou no dia 22 de abril de 2002 com uma sensação estranha: não se sentia ela mesma.  Esta foi a manhã mais aterrorizante de toda sua vida e o pior, essa sensação não melhorou pelos próximos três anos. “Era como se eu não me encaixasse no meu próprio corpo”, disse Charlton ao tentar descrever o que era praticamente indescritível: o que ela havia experimentado era um dos sintomas do “Transtorno de despersonalização“, que tomou conta de grande parte de sua vida.





Jane disse que “Parecia uma experiência sobrenatural que não acabava nunca”. “Era como se eu não existisse, tentava a todo momento me apegar à realidade na tentativa de resgatar a vida que tinha há poucos dias.”
O Transtorno de despersonalização (DPD) está entre as condições psiquiátricas mais comuns do mundo, mesmo que seja pouco conhecida pelo público geral.  De acordo com estudos, tanto na Grã-Bretanha como nos EUA, o DPD pode afetar cerca de até 2% da população – ou seja, cerca de 1,3 milhões de pessoas no Reino Unido e 6,4 milhões nos EUA.

Pessoas com transtorno despersonalização descrevem um sentimento de desapego com a realidade, como se fossem robôs vivendo em ”modo automático”, com ausência de emoções, boas ou más. Relatam que sentem como se estivessem observando suas vidas através de uma placa de vidro ou de uma névoa densa, às vezes parece um filme. “Se pudesse descrever o que aconteceu comigo, diria que um homenzinho entrou na minha cabeça, sentou-se na parte de trás do meu crânio e tomou conta dos controles, fazendo com que eu me tornasse uma espectadora de mim mesma” disse Charlton. “Quando falei sobre isso com meu pai, as palavras que usei foram: “Eu estou louca, finalmente aconteceu, fiquei louca de vez”.





Se os estudos estiverem certos, o número de pessoas com DPD é compatível com o número de pessoas diagnosticadas com esquizofrenia e distúrbio obsessivo-compulsivo. No entanto, a maioria das pessoas que têm DPD sofrem anos com medo e frustração, sem um diagnóstico preciso. A maioria descreveu que já havia visitado vários médicos e psiquiatras que não souberam diagnosticá-los devido à mistificação desse transtorno.
Charlton quer acabar com esta confusão. Ela espera trazer mais reconhecimento ao DPD, oferecendo às pessoas uma maneira de sair desse tormento e ter acesso ao mesmo tratamento que a recuperou. “É um pouco diferente da maioria dos outros distúrbios, as pessoas dizem que não temos tratamentos ou médicos específicos que possam nos ajudar. Mas nós podemos fazer isso. Tudo o que precisamos é nos conscientizarmos” diz ela.
Uma clínica especializada em DPD foi aberta em Londres em 1999 no Hospital Maudsley, a clínica teve mais de 500 pacientes só nos primeiros seis anos. A equipe clínica acredita que esta é apenas uma fração das pessoas que sofrem dessa doença.
“Muitas vezes o ponto de partida para a cura é ter um diagnóstico” diz Charlton. As descrições mais antigas de alguns dos sintomas de “despersonalização” datam do final do século XIX. Os sintomas desse transtorno geralmente estão ligados à depressão e à ansiedade, no entanto, a despersonalização pode ocorrer isoladamente. É como se o psicológico desencadeasse um mecanismo de defesa natural contra a extrema ansiedade que está enfrentando, então o ”EU” passa a se desligar da realidade. Muitas pessoas experimentam uma despersonalização temporária, isso geralmente ocorre em momentos de extrema fadiga ou estresse elevado, como durante um acidente de carro, em que ambas as opções de defesa (lutar ou fugir) estão inviabilizadas. Algumas drogas também podem levar a episódios de despersonalização. Nem sempre a despersonalização é temporária, ou diminui, se o problema psicológico que está originando o problema não for resolvido, o pior prognóstico será permanecer num deserto emocional completo.
Charlton era uma estudante dedicada e feliz. A sua despersonalização começou na metade do seu primeiro ano na universidade. Ela estava em uma festinha em sua casa e comeu um iogurte misturado com cannabis (maconha) e os sintomas, que são normais para quem fuma maconha, pareceram-lhe amplificados e permaneceram por muito mais tempo do que o normal. Não é incomum que uma DPD se inicie pelo uso de certas drogas como a maconha, mas existem outros gatilhos que também podem levar a um caso de DPD, como, por exemplo, um único evento traumático ou períodos extensos de abuso físico ou emocional.

Seja qual for o gatilho para o DPD, os portadores do transtorno relatam sintomas muito semelhantes. Falam de barreiras entre a consciência e a vida real, de vazio, da futilidade e do estranhamento.

A DPD é diferente da esquizofrenia ou da psicose, pois o sujeito não se convence que existe uma realidade alternativa, em que as pessoas ou os objetos se tornaram algo ou alguém que não são. As pessoas com DPD falam do mundo por meio de metáforas e parábolas, falam frequentemente sobre suas experiências através de termos como: “sentindo-se como” ou “como se”. Como sonâmbulos da vida diária, não apresentam nenhuma diferença das outras pessoas, pelo menos aparentemente.
Embora a investigação sobre as causas da DPD ainda esteja numa fase relativamente precoce, estudos de imagens cerebrais e investigações sobre as flutuações da condutância da pele e batimentos cardíacos oferecem algumas pistas. Os psicólogos têm detectado o que parece ser uma desconexão entre as partes do cérebro que regulam as emoções e as que determinam o pensamento racional. Durante os estudos, os indivíduos relataram se sentirem ansiosos ou assustados por causa das reações de estresse, mas suas respostas corporais permaneciam inalteradas. De alguma forma, faltava congruência entre a maneira como eles se sentiam psicologicamente e a maneira como se sentiam fisicamente”, diz Anthony David, professor de neuropsiquiatria e fundador da clínica DPD. A despersonalização causada pelas drogas recreativas também podem oferecer pistas. “Há uma mudança nos neurotransmissores que pode levar a esse tipo de estado”, disse David.





Vários medicamentos utilizados para tratar desordens de ansiedade e epilepsia ajudaram em alguns casos de DPD, mas nenhum ainda é eficaz em todos os casos. Atualmente, o tratamento mais eficaz é o medicamentoso aliado com uma boa psicoterapia. Pessoas que convivem com DPD têm a tendência de se isolarem, devido a dificuldade de se manterem ativos em um meio social, isso pode aumentar ainda mais a sensação de afastamento com a realidade. Por isso é necessário que tentem manter um círculo de amizades, mesmo que seja difícil.
A campanha de Charlton tem o enfoque de aumentar a conscientização para ajudar as pessoas com DPD a superarem os sentimentos de isolamento. Ela tem escrito para o Instituto de Psiquiatria e para o Departamento de Saúde dos EUA, na esperança de que, pelo menos, reconheçam o transtorno e unam esforços para a realização de pesquisas na busca de um tratamento melhor.

Fonte: TheGuardian traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment:

10 comments
Add Your Reply