É possível curar depressão sem remédio?

Shares

- depress  o tem cura  - É possível curar depressão sem remédio?

Os sintomas nucleares da depressão maior são tristeza e anedonia (dificuldade grave em experimentar o prazer), e um deles (ou ambos) deve estar presente para o diagnóstico. 





A pessoa se sente emocionalmente deprimida na maior parte do tempo, coexistindo com uma perda substancial de interesse em se envolver em atividades anteriormente gratificantes ou significativas.

É relativamente comum as pessoas com depressão pensarem ocasionalmente em tirar suas próprias vidas, ou terem uma série de pensamentos relacionados à morte. É possível também notar uma fadiga persistente que dura a maior parte do dia e que interage com as emoções difíceis que caracterizam essa alteração psicopatológica do humor.





Algumas pessoas passam a se referir a alterações nos processos executivos, como atenção ou concentração, todas dependentes da atividade do córtex pré-frontal, que acaba se manifestando com veemência pelo impedimento na capacidade de tomar decisões. Da mesma forma, a ruminação pode ser frequente (pensamentos obsessivos percebidos como intrusos) e com conteúdo consistente com o humor (culpa, fracasso ou pessimismo sobre o futuro).

Finalmente, mudanças importantes podem ocorrer nos hábitos necessários para o cuidado do corpo, como a dieta (que pode levar a ganho ou perda de peso) ou sono (devido a excesso ou déficit). No nível psicomotor, ocasionalmente ocorrem algumas alterações adicionais, percebidas como desaceleração ou aceleração do movimento e / ou pensamento, que podem ter eco na maneira como interagimos com os outros.

Esses sintomas devem ser mantidos por duas semanas ou mais e alterar a qualidade de vida da pessoa ou gerar deterioração em áreas relevantes para ela. Também é importante confirmar que nunca houve um episódio maníaco anterior; caso contrário, o diagnóstico apropriado seria o do Transtorno Bipolar Tipo I (cujo tratamento requer estabilizadores ou anticonvulsivantes). Com esse conhecimento à nossa disposição, podemos nos aprofundar na questão inicial: a depressão pode ser curada sem medicação?

E então… a depressão pode ser curada sem medicação?





O tratamento farmacológico e a psicoterapia são as duas grandes ferramentas que temos para combater o transtorno depressivo. A eficácia de ambos foi estudada profusamente na literatura científica sobre o assunto, e estudos comparativos foram realizados com frequência para tentar elucidar qual dessas modalidades oferece um benefício superior às pessoas que decidem optar por elas em caso de necessidade.

Os estudos mais recentes sobre o assunto, incluindo a metanálise abrangente do Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE, 2017), indicam que o efeito dos antidepressivos é um pouco maior que o do placebo; que é uma das medidas mais frequentes para determinar a qualidade terapêutica de um composto químico. No entanto, existem inúmeras críticas de diferentes autores quanto à interpretação desses resultados.

Geralmente, o uso de drogas psicotrópicas deve ser escolhido para casos graves de depressão, o que permitiria um equilíbrio mais eficiente entre benefícios e danos que possam advir de seu uso. Eles geralmente não são recomendados para menores; e com extrema cautela em gestantes, epilépticos ou pessoas com idéias suicidas. A frase latina primum non nocere (a prioridade é não prejudicar) é usada para representar a busca desse equilíbrio.

Os inibidores da enzima monoamina oxidase (MAOI-A), praticamente obsoletos, reduziram significativamente os sintomas depressivos, mas aumentaram o risco de crises hipertensivas quando combinadas com a ingestão de alimentos ricos em tiramina (através de um aumento abrupto de noradrenalina). Os tricíclicos, considerados os mais eficazes na redução dos sintomas de depressão, geram uma longa lista de efeitos colaterais associados ao bloqueio dos receptores colinérgicos muscarínicos, histamínicos e adrenérgicos.

Os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs) foram os primeiros antidepressivos sintetizados especificamente com o objetivo de atuar no humor, uma vez que nos anteriores essa aplicação terapêutica foi descoberta por simples acaso. Os ISRS são uma família de seis medicamentos diferentes que têm melhor tolerabilidade e eficácia adequada, mas também estão associados a efeitos colaterais na sexualidade e na atividade gastrointestinal (pois são duas funções reguladas pelo neurotransmissor no qual afetam).

Assim, o uso de drogas psicotrópicas é uma opção que o paciente deve avaliar em conjunto com o médico, com base em uma reflexão sobre a gravidade dos sintomas sofridos e os possíveis efeitos colaterais do composto. No entanto, qualquer que seja a escolha, o tratamento psicológico deve estar presente (pelo menos como um tratamento combinado).

Como o tratamento psicológico pode ajudar a combater a depressão?

A psicoterapia deve ser a prioridade nos casos de depressão leve ou moderada, e seu uso também deve ser considerado nos casos mais graves, combinando-a de maneira harmoniosa com o uso do medicamento psicotrópico que a pessoa possa necessitar. Por fim, sempre há uma porcentagem de pacientes que não respondem substancialmente a uma ou outra estratégia de tratamento; portanto, a opção pelo uso de ambas as abordagens ao mesmo tempo (em casos graves) provou ser a mais eficaz.

O tratamento psicológico fornece à pessoa uma série de ferramentas para a vida, cujo objetivo é diverso (dependendo das necessidades detectadas): entender melhor a depressão e suas causas, reestruturar pensamentos distorcidos que possam mediar as emoções mais difíceis, Aprender estratégias de solução de problemas, incorporar atividades agradáveis ​​à vida cotidiana, promover o uso de recursos sociais, facilitar a expressão de desconforto e muito mais.

A principal vantagem do tratamento psicológico sobre o uso de drogas psicotrópicas é que, sendo tão eficaz nos casos em que sua aplicação é recomendada, reduz a tendência à recaída de maneira muito mais evidente (o que é muito frequente nessa patologia). Isso implica, no entanto, uma série de aprendizados significativos que são incorporados ao conjunto de estratégias que a pessoa já possui e que lhes permitem lidar com o estresse e as adversidades futuras.

No entanto, os tratamentos psicológicos exigem um esforço ativo para melhorar, algo que ocasionalmente deve ser estimulado antes e durante a intervenção, uma vez que existem poucos pacientes cujo estado de esgotamento físico e emocional dificulta essa disposição. Também é necessário implementar uma série de tarefas fora da própria consulta e ter paciência com a melhoria (que pode ocorrer um pouco mais tarde do que nos ISRSs, que requerem duas a três semanas).

Talvez o fato de que o benefício da psicoterapia não seja imediato, juntamente com a necessidade de articular um esforço sustentado de autocuidado, tenha motivado o uso extensivo de antidepressivos em nossa sociedade e a disponibilidade limitada de outras estratégias no sistema de saúde. Para entrar no processo de um tratamento psicológico (cuja duração é geralmente de 20 sessões semanais), precisamos obter a motivação necessária, que também precisará ser estimulada pelo terapeuta.

Além do tratamento psicológico e farmacológico em si, existem também algumas recomendações baseadas em estilos de vida saudáveis, que se mostraram eficazes na simples melhoria do humor. Aqui estão alguns deles.

Que outras coisas posso fazer para melhorar?

A literatura científica encontrou evidências de uma série de hábitos que podem ser úteis para quem passa por um processo depressivo.

Alguns estudos mostraram que o envolvimento em atividades pró-sociais, como o voluntariado por causas que julgamos merecedoras, pode melhorar substancialmente o humor. Dedicar tempo àqueles em nosso ambiente a quem um vínculo construtivo se une a nós também pode ser útil, pois permitiria expressar as emoções que abrigamos e ser objeto de uma escuta atenta e abrangente.

Caso nossos sintomas emocionais se relacionem ao fato de que algum objetivo relevante de nossa vida não está se desenvolvendo da maneira que pensamos, pode ser útil reinterpretar esses objetivos para transformá-los em uma sucessão de pequenos passos mais facilmente alcançáveis. Isso introduz pequenos reforços que mantêm o comportamento e a motivação em direção à meta.

A prática de exercícios físicos, especialmente exercícios aeróbicos (como não existem dados suficientes dos anaeróbicos), também provou ser um potente antidepressivo natural; como as caminhadas sob a luz solar, que estimulam a produção de melatonina a partir da glândula pineal (um hormônio amplamente disseminado no reino animal), ajudando a reduzir a insônia que coexiste frequentemente com a depressão.

Em conclusão, a depressão não implica falta de nenhum aspecto do caráter ou do modo de ser, uma vez que todas as pessoas são suscetíveis a sofrer com isso em algum momento de suas vidas. Caso considere que seus sintomas são compatíveis, não hesite em pedir a um profissional de saúde para avaliar qual seria a opção terapêutica mais recomendada (pois isso está sempre sujeito a uma análise aprofundada da pessoa, a intensidade sintomas, necessidades e circunstâncias).

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment: