5 hábitos psicológicos que limitam a sua capacidade de pensar

O nosso cérebro é como o processador de um computador: Tem uma quantidade finita de capacidade de processamento e recursos intelectuais que podem ser utilizados num determinado momento. Qualquer tarefa (ou estado emocional) que ocupe muito a nossa capacidade intelectual impacta diretamente na nossa capacidade de concentração. O resultado disso é que o nosso QI fica temporariamente reduzido.





Para demonstrar este princípio, tente caminhar enquanto faz uma contagem regressiva de sete em sete a partir do número 1000, por exemplo: (1000, 993, 986, etc.). Em breve você vai perceber que parou de caminhar, mas por que isso acontece? O seu cérebro trabalha tanto nesse cálculo que fica sem os recursos necessários para que as suas pernas se movimentem.





A maioria das tarefas comuns não tem um impacto tão significativo sobre a nossa capacidade de trabalhar ou estudar. A maioria de nós consegue fazer a lição de casa enquanto ouve música, ou se entreter com um livro enquanto come.

No entanto, alguns hábitos psicológicos consomem tanto os nossos recursos intelectuais que as nossas capacidades cognitivas diminuem. Poucas pessoas estão cientes de que esses hábitos psicológicos são tão nocivos, a maioria é incapaz de parar o que está fazendo, e isso pode afetar seriamente a nossa capacidade de concluir tarefas de forma eficaz.

A seguir estão os 5 hábitos psicológicos que prejudicam o nosso funcionamento intelectual:

1. Ruminar Pensamentos

Repetir eventos frustrantes, perturbadores ou angustiantes a todo momento pode causar uma confusão mental, nos estressar ou nos abalar emocionalmente, e isso pode causar sérios danos a nossa capacidade intelectual. Além disso, esse hábito pode afetar o nosso funcionamento cognitivo, nossa saúde emocional e física.

2. Culpa mal resolvida





Todos mundo já se sentiu culpado pelo menos uma vez na vida. E quando isso aconteceu, você provavelmente pediu desculpas ou tomou alguma atitude para que o problema fosse resolvido. No entanto, quando essa culpa não é resolvida de forma saudável, ela começa a surgir a todo momento na sua cabeça e isso cria uma grande distração mental que prejudica seriamente o funcionamento cognitivo. A solução é tentar não dar tanta atenção a esse sentimento, de forma que ele não tome conta da sua vida. O mais indicado é tentar solucionar de uma vez por todas o motivo dessa culpa mal resolvida.

3. Reclamar

A maioria das pessoas preferem partilhar suas frustrações com amigos do que discuti-las com alguém que poderia realmente ajudar a resolvê-las. O problema é que a cada vez que reclamamos, ficamos ainda mais frustrados e irritados. Essas queixas são ineficazes e acabam drenando  a nossa capacidade intelectual, pois a raiva e a frustração são processadas com mais dificuldade em nosso cérebro. 

4. Analisar demais as rejeições

A rejeição cria uma dor emocional tão grande que impacta significativamente no nosso humor e funcionamento cognitivo. Ela também nos leva a tornarmos autocríticos demais, um hábito que prejudica seriamente a nossa autoestima, tudo isso só faz com que o prazo da angústia emocional se estenda, comprometendo seriamente as nossas habilidades cognitivas.

5. Se preocupar demais

Muitas pessoas acham que se preocupar é uma coisa natural. Todo mundo tem suas preocupações, no entanto, quando essas preocupações são excessivas, o nosso estado emocional fica abalado e um sentimento desagradável se instala. Isso sem dúvidas é algo perturbador, pois quando nos preocupamos com alguma coisa, o motivo de nossa preocupação se torna o centro da nossa atenção, nossa mente só consegue se focar nisso e deixa o restante de lado, e claro que isso acaba causando um desgaste mental.

Fonte: PsychologyToday traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment: